Por terras de fortes tradições

O post de hoje sugere um passeio pelo Alentejo profundo, desde «(…) Serpa até à (…) barragem de Alqueva, com passagem por Barrancos e pelo castelo de Noudar.
Antes de sair de Serpa não deixe de visitar a capela de São Gens, de estilo manuelino, o castelo da vila, de construção árabe e as muralhas dionisinas. Conheça ainda a igreja matriz, do século XIII e parta depois em direcção a Espanha, tomando a EN 260.
Passados 17km encontra Vila Nova de São Bento (os mapas de estradas ainda lhe dão o nome de aldeia) e 12 km depois corte à direita para Vila Verde de Ficalho. Aqui, visite a igreja matriz e os vestígios arqueológicos das ruínas medievais. Saindo da povoação tome a EN 385 até Safara. Trata-se de uma interessante aldeia com igreja matriz de século XVIII e barragem próxima.
Siga até Santo Aleixo da Restauração - povoação muito sacrificada com as guerras da restauração - através da EN 258. Daqui até Barrancos são cerca de 20 km através de estrada sinuosa ladeada por herdades de sobro. Vila branca, Barrancos é conhecida por conservar algumas tradições ancestrais como os touros de morte e um dialecto próprio, o barranquenho [Não se esqueça de provar o Presunto de Barrancos]. À saída da vila, junto de uma rotunda (…), corte à direita seguindo uma estrada em terra batida. Passados cerca de 10 km a nordeste da vila encontra o castelo de Noudar, um marco importante nos avanços e recuos de reconquista e da independência de Portugal.
Depois de feito este caminho sinuoso, que em cada curva vai mostrando uma perspectiva de fortaleza, chega a uma plataforma altaneira (com cerca de 300 metros), nascida da confluência das ribeiras de Múrtega e de Ardila, onde se ergue o castelo. Noudar é defendido por um importante pano de muralha que por sua vez é coroada pela torre de menagem. No interior permanece um templo dedicado à Senhora de Entre-ambas-as-Águas, uma cisterna quatrocentista, a casa dos governadores e vestígios do antigo povoado.
Regresse a Barrancos e continue este passeio através da EN 258,para logo depois seguir sobre a direita a apanhar a EN 386 que o levará através das povoações de Amareleja e Póvoa de São Miguel até Moura. Antes de conhecer a vila, famosa pela sua arquitectura popular, com chaminés cilíndricas ornamentadas, balaustradas azulejadas e lanternins de cobertura em cerâmica, corte à direita pela EN 384 para conhecer o enorme paredão da (…) barragem de Alqueva. (…) Retorne pelo mesmo caminho e siga então em direcção a Moura, através da EN255. Em Moura não deixe de visitar a Igreja de São João, o Convento do Carmo, a igreja de São Francisco e o Bairro da Mouraria.»

In Guia da Semana – Expresso

O passeio que aqui sugerimos percorre localidades do Alentejo profundo, na margem esquerda do rio Guadiana, a curta distância da vizinha Espanha. Mas o Alentejo, para além das gentes, das paisagens e do património construído, tem também usos, costumes e tradições, gastronomia e vinhos, assim como trajos bem característicos e que importa conhecer.

3 comentários:

  1. estive aver um programa na tv agora a pequena peça que teem e museu que pensam ser decorativa é na realidade parte do punho de uma espada falcata do periodo celtico -romano

    ResponderEliminar
  2. busquem falcatas espadas curvas dos iberos

    ResponderEliminar
  3. essa peça que esta no museu de noudar pode ter mais interessa do que aparenta, sendo anterior ao periodo muculmano

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...