Por Terras do Sado – Salinas e Natureza (Rota V)

Depois de, em posts anteriores, termos divulgados 4 das Rotas de Vinhos da Península de Setúbal, vamos agora apresentar a V Rota: «Por Terras do Sado – Salinas e Natureza». Esperamos que gostem e que experimentem!
Palmela - Mourisca
A partida é feita da Casa Mãe da Rota de Vinhos, em Palmela. Continue pela Avenida Dr. Atáz Godinho de Matos até à Igreja de S. Pedro (séc. XVI) e observe o belíssimo edifício dos Paços do Concelho. Desça a estrada em direção a Setúbal, virando à direita no cruzamento. Nos segundos semáforos vire à esquerda, para Estação de Palmela e Poceirão. Continue em direção a Estação de Palmela, contorne as duas rotundas e siga sempre em frente, percorrendo terras de vinhas e sobreiros. Atravesse o primeiro cruzamento e continue em frente até encontrar um segundo cruzamento, onde deve virar à direita para a E.N. 10. Siga a indicação Mourisca, continuando pela estrada de St.º Ovídio. Atravesse a passagem de nível sem guarda e siga as indicações Moinho de Maré da Mourisca. Aqui a paisagem é dominada por pequenas explorações agrícolas e manchas florestais de pinheiros e sobreiros. Visite o exterior do moinho e se tiver oportunidade, faça uma caminhada pela zona circundante e pelo pequeno porto palafítico.
Mourisca - Zambujal
Percorra os caminhos que o trouxeram ao moinho, agora em direção a Águas de Moura. Após a antiga fábrica da EPAC, vire à direita pela estrada do Zambujal. Estacione e atravesse a antiga ponte ferroviária para visitar o Centro de Interpretação da Natureza do Zambujalinho, situado em plena Reserva Natural do Estuário do Sado. Observe as zonas de montados, arrozais, salinas e sapais, onde existe uma importante comunidade de avifauna residente e migratória, assim como a prática de actividades piscatórias tradicionais. Pode efectuar um percurso pedonal interpretativo, passando pela estação arqueológica datada do período romano, onde se fabricavam ânforas que se destinavam ao transporte marítimo dos produtos piscícolas e agrícolas para todo o império romano.
Zambujal - Fernando Pó
Regresse à sua viatura e quando chegar à EPAC, vire à direita. Ao chegar ao cruzamento de Águas de Moura, vire à esquerda e continue o percurso pelas plantações de vinhas até chegar a Fernando Pó. Aqui, sugere-se a visita à adega Casa Ermelinda Freitas. De fortes raízes familiares e quatro gerações de tradição vitivinícola, destaca-se nesta adega a sala de estágio dos vinhos, a vinha pedagógica e a loja de vinhos. 
Fernando Pó - Santo Isidro de Pegões
Continue o itinerário atravessando a passagem de nível sem guarda. Siga em frente e quando chegar ao cruzamento, vire à direita em direção a Pegões. Ao longo do percurso depara-se com a arquitectura singular do Colonato Agrícola de Pegões. Um antigo complexo agrícola que remonta aos anos 40 e 50.
A Igreja de St.º Isidro de Pegões, dedicada a este santo patrono dos camponeses, situa-se a escassos metros da adega com o mesmo nome - Cooperativa Agrícola de St.º Isidro de Pegões. Esta adega foi edificada em 1958, apresentando-se modernizada e competitiva com inúmeros prémios obtidos em Portugal e no estrangeiro. Pode atestar a qualidade dos vinhos em mesas e bancos feitos em tanoaria. Ao sair da adega, continue até ao entroncamento. A escassos metros, no sentido de Vendas Novas, visite o Fontanário de Pegões.
Ao passar a indicação Pegões, vire nos pinheiros à direita para a entrada do Parque de Material Agrícola de Pegões, onde encontra a escultura “Homenagem à Agricultura” de Artur Bual. A Rota V termina na Igreja de N.ª Sr.ª de Fátima.
Se tiver oportunidade visite Canha, uma vila medieval, onde o cavalo assume as influências ribatejanas do concelho de Montijo. Não deixe de conhecer o Museu Etnográfico, que pretende valorizar o património e costumes de Canha.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...