Com Meca, aqui ao lado

O passeio que lhe sugerimos neste post tem como cenário a região do Oeste.
«Há uma luz muito especial, tonalizada pelas águas do Atlântico, que banha as colinas suaves destas paragens, colinas que já foram leito de mar antes de se tornarem nos cemitérios de fósseis, com destaque para os de dinossauros, que abundam hoje por toda a região. Uma luz que, mais do que física, parece ter algo de espiritual, sobretudo agora, no Outono, quando o dourado velho nos vinhedos maduros se estende a perder de vista pelo poente adentro, ao encontro de campanários das igrejinhas singelas que pontuam o cenário – dominado pelo maciço da serra de Montejunto, área de paisagem soberba e protegida e que é o ponto mais alto de toda a região Oeste.
Comece por Alenquer, a «vila-presépio» que foi terra de Damião de Góis – essa figura ímpar do Renascimento português (…) –, justamente a «sede» de um dos circuitos da Rota da Vinha e do Vinho do Oeste, o circuito das Quintas de Alenquer. E, como que a demonstrar todo esse ambiente de espiritualidade que a luz encerra e traduz, tome a estrada 365-1, em direcção ao Norte, e vá conhecer, meia dúzia de Kms adiante, em Meca, precisamente, a basílica de Santa Quitéria, uma construção do século XVIII com semelhanças notórias às basílicas da Estrela e de Santo António da Sé, em Lisboa, suas contemporâneas. Sabia que tinha Meca aqui mesmo ao lado?
(…) Entrando, depois, em Porto da Luz, seguido por estradas secundárias e municipais bordejadas de vinhedos e de canaviais, sempre com um cheiro a mosto a espreitar a cada curva do caminho, descubra, de aldeia em aldeia, um mundo de uma ruralidade contagiante que o vai levar, no final da rota, até [algumas quintas que deve visitar].
Como não lhe devem passar despercebidos tanto os moinhos de vento, numerosos ainda na região, como as igrejas singelas que enriquecem todas as aldeias: Nossa Senhora da Piedade, na Mercena; Nossa Senhora dos Prazeres, na Aldeia Galega; a de Santa Maria Madalena, em Aldeia Gavinha; ou a de São Sebastião, na Espiçandeira. É claro que Alenquer tem, ela própria, templos, monumentos e motivos de interesse que justificam uma atenção especial. A igreja de S. Francisco, por exemplo, e o seu claustro, construção do século XIII que pertenceu ao primeiro convento franciscano de Portugal.»
In Guia Essencial - Expresso

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...